Bio

Era uma vez…

Espere… a vida não e um conto de fadas. A vida, algumas vezes, e complicada e difícil! A vida e divertida também, uma combinação de amargo e doce.Vida e vida, nenhuma definição e necessária, simplesmente pegue a vida e faca o que quiser e for possível.

“Viver e a coisa mais rara no mundo. A maioria das pessoas apenas existe.” – Oscar Wilde

Meu passo inicial para compreender o sentido da vida foi ler. Livros se tornaram meu primeiro amor, o brinquedo que eu mais apreciava, meu maior desejo. Olhando desse ponto de vista eu já vinha vivendo a vida completamente. Posso lembrar o primeiro livro que segurei em minhas mãos. O cheiro de ideias novas escapando de um mundo morto… fazendo as palavras ganharem vida. As páginas eram o caminho que peguei e que transformaram uma menina de quatro anos de idade em uma sonhadora.

Eu cresci sonhando: com livros, músicas, aventuras. Visitei uma miríade de lugares, troquei minhas roupas simples por outras, vivendo uma vida plena através das vidas dos personagens que eu adorava. Eu era uma fada, uma rainha, um bravo mosqueteiro, um cavaleiro desafiante, um sábio filósofo. Estes foram os passos iniciais que me tornaram o “eu” que sou hoje.

Idealista mas com os pés no chão. Repleta de novas ideias, embutidas de fantasia e realidade. Acreditando que tudo é possível construí minha estrada até este momento. Hoje, quando volto meus solhos para as árvores com suas vestimentas outonais, quando os pássaros estão voando para outros lugares distantes; lugares para onde eu irei voar também, um senso de vida dentro de uma vida me toma. Na verdade, viajar tem sido outra paixão, a cereja em meu sorvete, aquilo que me moveu para frente sem medo, deixando o passado, o lar, a segurança, lançando-me nesta nova vida.

Os melhores momentos ocorrem quando estou viajando – na Ásia ou América; visitando desertos ou topo de montanhas, no meio de um mercado Tailandês vibrando de vida, em uma selva, onde diferentes espécies competem para permanecerem vivas. Não importa, eu absorvo cada onda dessas vidas e transformo-as em energia.

Esse amálgama de livros, viagens e ideias, criou uma pessoa difícil de definir. Estranha, reclusive, ingênua – a tentativa de me etiquetar tem sido constante, mas eu aprendi a olhar para cada etiqueta e simplesmente continuar em um frente.

Quer saber mais? Eu nasci em São Paulo, cresci em uma típica familia de classe média. Estudei em escolas privadas e públicas. Me graduei em engenharia elétrica, depois em administração, finalmente mergulhei em uma pós-graduação sobre educação. Por fim, despi-me de tudo isso, e mais alguns títulos, e me transformei em Heleny Campoy, a escritora, pintora, fotografa e viajante.